Estatuto Social

“Deus nos surpreende sempre e o Papa Francisco também”, disse presidente da CNBB referindo-se à brincadeira do papa

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

O papa Francisco presidiu hoje, 27 de junho, na capela Paulina, no Vaticano, missa em ação de graças pelos seus 25 anos de ordenação episcopal. Entre os concelebrantes estava o arcebispo de Brasília (DF) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cardeal Sergio da Rocha.

Durante a homilia, o pontífice refletiu sobre três imperativos inseridos no diálogo entre Deus e Abraão: levantar-se, olhar e esperar. Expressões que marcam não só o caminho que Abraão deve percorrer, mas também a sua atitude interior.

O Papa acrescentou ainda que o Senhor pede aos avôs da Igreja que tenham a vitalidade para dar aos jovens, sem se fechar, para oferecer à juventude o melhor, para levar avante a profecia e o trabalho. “Peço ao Senhor que dê a todos nós esta graça, também para quem ainda não é avô, como o presidente do Brasil (referindo-se ao presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha), que é um jovenzinho, mas você chegará lá. A graça de ser avô, a graça de sonhar e dar esse sonho aos nossos jovens, eles precisam disso”, disse.

O presidente da CNBB, cardeal dom Sergio Rocha, se disse surpreso com a referência do pontífice. “Deus nos surpreende sempre e o Papa Francisco também”, afirmou. Após a celebração, o cardeal dom Sergio, disse que, além de agradecer a ele e transmitir as orações e o abraço carinhoso dos brasileiros, falou ao santo padre que um cardeal considerado mais jovem tem muito mais a aprender com os que são avós. “Espero poder continuar a aprender com o Papa Francisco”, ressaltou.

Segundo o cardeal, os 25 anos de episcopado do papa são motivo de esperança e louvor a Deus. “O Papa Francisco tem nos ensinado muito através de suas palavras e, de modo especial, por gestos concretos de simplicidade e misericórdia, dentre tantos outros”, disse.

O presidente da CNBB está em Roma para participar do Consistório para a criação de novos cardeais, na tarde do dia 28 e também para a missa da entrega do pálio aos arcebispos nomeados no último ano, que será na manhã do dia 29, celebração de São Pedro e São Paulo.“Como presidente da CNBB, vim também para uma breve visita ao Pontificio Colégio Pio Brasileiro. Apesar das muitas atividades, é uma visita breve. Estar em Roma nos faz sentir ainda mais unidos ao Papa Francisco e a Igreja no mundo inteiro”, disse.

O papa chamou a atenção para como são tratados os idosos na Igreja. “Quem não nos quer bem, diz: ‘somos a gerontocracia da Igreja’. É uma zombaria, não sabe o que diz. Não somos gerontes, somos avôs. E se não sentimos isso, devemos pedir a graça de senti-lo. Avôs para quais os netos olham e esperam de nós a experiência sobre o sentido da vida. Avôs não fechados. Somos avôs chamados a sonhar e dar o nosso sonho à juventude de hoje, que necessita disso, porque tirarão dos nossos sonhos a força para profetizar e levar avante a sua missão”, disse.

Também estavam presentes na missa os cardeais brasileiros João Braz de Aviz, Cláudio Hummes e Raymundo Damasceno Assis.

O ainda padre Jorge Mario Bergoglio foi nomeado bispo auxiliar de Buenos Aires por São João Paulo II dia 20 de maio de 1992. Dois meses depois, dia 27 de junho, na Catedral de Buenos Aires recebeu a ordenação episcopal das mãos do cardeal Antonio Quarracino, então Arcebispo da capital argentina.

Fonte: Rádio Vaticano