Estatuto Social

Prisioneiro durante 27 anos, Pe. Simoni será um dos 17 novos cardeais

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cidade do Vaticano (RV) - Em 21 de setembro de 2014, por ocasião da visita do Papa à Albânia, o mundo conhecia Pe. Ernest Simoni. Em sua visita a Tirana – capital do país da península Balcânica –, Francisco ouviu comovido o testemunho do sacerdote: encarcerado durante 27 anos, torturado, obrigado a trabalhos forçados, reiteradas vezes condenado à morte.

Pe. Ernest, cuja história foi contada recentemente num livro do vaticanista Mimmo Muolo, sempre confiou em Jesus e, desse modo, venceu o totalitarismo comunista que durante décadas oprimiu a Albânia.

No Angelus deste domingo (09/10), o anúncio do Papa Francisco: Pe. Ernest Simoni – hoje com quase noventa anos – será cardeal. Uma surpresa à qual o sacerdote albanês quase não acredita. Entrevistado pela Rádio Vaticano, o futuro purpurado deixou-nos o seu testemunho:

Pe. Ernest Simoni:- “Quando vi o Angelus pela televisão, o qual costumo recitar com o Santo Padre, ouvi ‘Pe. Ernest’. Foi uma surpresa imensa para mim: jamais poderia pensar! Devo agradecer ao Senhor pela vida que me deu e pelas graças, as muitas graças que alcancei. É obra e mérito somente de Nosso Senhor Jesus Cristo e da Santíssima Virgem Maria. E assim, como um pobre missionário – um pequeno missionário de Jesus –, todos os dias peço o amor de Jesus no coração de todos os homens.”

RV: O Santo Padre ficou fortemente tocado – e o disse ele mesmo em várias ocasiões – com seu testemunho e com o encontro com o senhor na Albânia. De certo modo, essa púrpura é um reconhecimento ao senhor e a tantos cristãos na Albânia e em muitas outras terras que sofrem perseguições por testemunhar Jesus Cristo...

Pe. Ernest Simoni:- “Certamente! ‘Como perseguiram a mim, perseguirão também a vós que me seguis.’ Mas Jesus sempre foi a imensa esperança que nos consola e nos ajuda, para amar. Encontrei o Santo Padre quando chegou à Albânia: troquei duas palavras com ele. Tudo é Jesus que me salvou; sofri muitas perícias: duas vezes fui condenado à morte... Jesus fez tudo!”

RV: O Papa Francisco sempre fala das “surpresas de Deus”: essa é, realmente, uma surpresa! O senhor esteve perto da morte várias vezes, no cárcere, torturado, e agora prestes a ser incardinado na Igreja de Roma, próximo do Papa...

Pe. Ernest Simoni:- “Esta é uma enorme surpresa! Estive cinco vezes perto da morte; pegaram-me na prisão para eliminar-me, mas Deus me salvou: Jesus me salvou. Somente Jesus, Jesus amor infinito para conosco!” (RL)

Fonte: Rádio Vaticano