Estatuto Social

Conferência sobre o clima em Marrakesh

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

“Cooperar juntos por uma economia com baixo índice de carbono, optando por energias renováveis ao invés de combustíveis fósseis, em conformidade com o Acordo de Paris e a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável”.

Este foi o apelo de mais de 130 confissões religiosas de 44 países do mundo inteiro em uma declaração intereligiosa sobre o clima, difundida em uma conferência em Marrakech, no Marrocos. O documento endereçado a líderes de Governo, foi entregue por um representante do secretário geral das Nações Unidas. Representantes de 192 países estiveram reunidos nesta conferência para acordar sobre mecanismos que irão ajudar a controlar a produção de CO2 em todos os Estados.

Entre os assinantes da declaração estão líderes budistas, muçulmanos, jainistas, hinduístas, ortodoxos, anglicanos, episcopalianos, luteranos, pentecostais e de religião indígena. O documento apresenta uma série de pedidos que visam acelerar mudanças rumo à pratica de energia limpa, com o objetivo de limitar o aumento da temperatura a 1,5ºC em relação aos níveis pré-industriais.

A declaração solicita um maior compromisso com a redução das emissões; o desinvestimento dos fundos soberanos e de pensão pública de combustíveis fósseis para convertê-lo em investimento de energia renovável; um aumento do fluxo financeiro global para por fim à pobreza energética; a inclusão de compromissos climáticos em um quadro mais amplo de proteção dos direitos humanos, como predisposto no preâmbulo do “Acordo sobre o clima”, de Paris; controles mais severos sobre os mecanismos de resolução das disputas nos acordos comerciais que utilizam tribunal extrajudicial para opor-se à política dos governos, de modo que sejam protegidos os direitos humanos antes dos interesses econômicos das empresas multinacionais.

Fonte: Rádio Vaticano