Estatuto Social

Iêmen: A cada 10 minutos morre uma criança

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Sanaa (RV)  – Atualmente no Iêmen, mais de dois milhões de crianças sofrem de desnutrição aguda e necessitam de cuidados imediatos. Pelo menos 462 mil crianças sofrem de desnutrição aguda grave (SAM), com um aumento drástico de cerca de 200% desde 2014. Outros 1,7 milhões de crianças sofrem de desnutrição aguda moderada.

A situação das crianças afetadas pela desnutrição aguda grave é ainda mais crítica em algumas províncias, tais como os de Hodeida, Sa'ada, Taiz, Hajjah e Lahej. Estas cinco províncias juntas têm o maior número de casos de desnutrição aguda severa no país. Em algumas áreas, 8 em cada 10 crianças sofrem de desnutrição crônica. Saada também tem a maior taxa do mundo de casos de crescimento de prisão entre as crianças.

"A desnutrição no Iêmen nunca foi tão elevada e continua a aumentar", disse o Representante da UNICEF F.F. no Iêmen, Meritxell Relano. "As condições de saúde das crianças no estado mais pobre do Oriente Médio nunca foram tão catastróficas como são hoje."

Mesmo antes da intensificação do conflito, em março de 2015, o Iêmen estava enfrentando desafios causados ​​pela pobreza generalizada, insegurança alimentar e a falta de serviços de saúde. Atualmente, o sistema de saúde do Iêmen está à beira de um colapso.

Menos de um terço da população do país tem acesso a cuidados médicos; menos da metade das unidades de saúde estão ativas; os profissionais de saúde não estão recebendo salários há meses. Além disso, as agências de ajuda estão enfrentado muitas dificuldades para realizar seu trabalho, devido ao impasse político entre as partes em conflito.

No Iêmen, a cada dez minutos, pelo menos uma criança morre de doenças preveníveis ​​como a diarreia, desnutrição e infecções respiratórias.

"A violência e os conflitos tem mostrado números alarmantes no campo da saúde e nutrição infantil na última década no Iêmen. Doenças como a cólera e o sarampo se espalharam e, dadas as poucas estruturas de saúde operacionais, essas epidemias têm graves repercussões sobre as crianças ", continuou Relano.

Em 2016, no Iêmen, a UNICEF auxiliou no tratamento de 215 mil crianças com desnutrição aguda grave e forneceu a mais de 4 milhões de crianças menores de 5 anos de idade, suplementos de vitaminas para fortalecer sua resistência às doenças. Mas estes esforços de socorro continuam dificultados pela falta de financiamento e acesso limitado às áreas afetadas pelo conflito.

“Pedimos que as partes em conflito nos permitam alcançar as crianças necessitadas no país, para distribuir ajuda alimentar, cuidado e serviços de saúde", concluiu Relano.

Os empréstimos continuam sendo um desafio. Para 2017, a UNICEF precisa de 70 milhões de dólares para fornecer serviços nutricionais essenciais às crianças e suas mães em todo o país. (LV)

Fonte: Rádio Vaticano