Estatuto Social

Taizé: Comunidade Ecumênica reúne 10 mil jovens na Letônia

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Riga (RV) – A Comunidade Ecumênica de Taizé iniciou nesta quarta-feira (27), em Riga, na Letônia, um encontro europeu com cerca de 10 mil jovens.

O evento anual, que vai se prolongar até o dia 1º de janeiro de 2017, tem como cenário o “difícil contexto que a Europa atualmente enfrenta”. Os participantes são desafiados a “deixar uma mensagem de paz e de reconciliação”, explica o serviço de comunicação de Taizé, em nota à imprensa.

Uma das organizadoras do evento é Denisa Chudiaková, que esteve envolvida durante quatro meses na preparação da iniciativa em Riga e no desenvolvimento de contatos tendo em vista a acolhida dos participantes, que estão sendo alojados em centenas de paróquias da capital letã.

A jovem eslovaca, de 24 anos, destacou a importância da proposta de Taizé, que convida os jovens à “abertura” aos outros e aponta um caminho de paz entre povos, religiões e culturas. “Uma mensagem que devemos partilhar onde quer que estejamos”, salienta. 

Temas em debate

Entre os temas em debate, ao longo destes cinco dias, estará o conflito na Ucrânia e nesse contexto “a presença de muitos jovens” daquele país, e também “da Bielorrússia e da Rússia, será particularmente importante”, destaca o comunicado.

É a primeira vez que um Encontro Europeu é organizado em um país que fez parte da antiga União Soviética.

Além da defesa da paz no mundo, a promoção da unidade entre os cristãos tem sido desde sempre um dos grandes objetivos da Comunidade de Taizé, fundada na França pelo irmão Roger Schutz, ainda no contexto da Segunda Guerra Mundial.

Durante o encontro na Letônia, o irmão Alois, atual prior de Taizé, vai publicar uma reflexão intitulada “Juntos, abrir caminhos de esperança”, com quatro propostas para 2017.

Propostas para 2017

Durante o encontro de Riga, a Comunidade Ecumênica de Taizé vai ainda apresentar as suas propostas para 2017, que realçam a necessidade de “abrir caminhos de esperança”, sobretudo, tendo como base o exemplo do continente africano.

Além do Papa Francisco e de outros líderes religiosos também o  Patriarca Ecumênico Bartolomeu I enviou aos jovens uma mensagem afirmando que “existe uma juventude na Europa que diz não aos nacionalismos alimentados pelo medo”.

Mensagem do Patriarca Ecumênico Bartolomeu I

“Vocês estão mais uma vez reunidos no final do ano e início do novo para lembrar à Europa que existe uma energia na juventude cristã neste continente que não pretende se submeter às tentações isolacionistas e nacionalistas, alimentadas pelo medo do terrorismo e, mais geralmente, pelo medo do outro”. Começa assim a mensagem que o Patriarca Ecumênico de Constantinopla Bartolomeu I escreveu aos jovens que se reúnem em Riga.

“2016 – escreveu Bartolomeu – foi um ano particularmente sangrento e repleto de incertezas para a Europa. No entanto, os desafios que nos esperam em 2017 serão decisivos para traçar as orientações para o futuro europeu”. Na mensagem, o Patriarca fala de uma Europa dividida pela crescente “polarização dos debates políticos”, sobretudo sobre tema como a acolhida dos migrantes, a defesa do meio-ambiente e a crise financeira. “Portanto – acrescenta – acreditamos pensar que o processo de reconciliação ecumênica, politica e social se alicerça sobre a capacidade dos nossos países, povos e indivíduos de dialogarem”.

Através do diálogo, nós nos comprometemos não só a debater ou a negociar, mas também num processos nos une uns aos outros, que não tem outro objetivo a não ser o relacionamento. O diálogo como descoberta do outro. “O diálogo como superação dos preconceitos”, como “centro da nossa vida cristã”, como “o meio mais útil desta civilização que estamos construindo juntos. Uma civilização do diálogo deve inspirar o futuro doa Europa”, finalizou o Patriarca Bartolomeu I. (SP) 

Fonte: Rádio Vaticano