Estatuto Social

Pe. Ney Brasil: a lembrança do Programa Brasileiro

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cidade do Vaticano (RV) - Faleceu nesta quarta-feira, 04, aos 86 anos de idade, Padre Ney Brasil Pereira, único brasileiro a integrar a Pontifícia Comissão Bíblica, um grupo de 20 especialistas do mundo que se dedica ao estudo da Bíblia. O sacerdote estava internado no Hospital de Caridade, em Florianópolis (SC).

Biografia

Nascido em 04 de dezembro de 1930 em São Francisco do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, padre Ney se formou em Teologia, em Roma. No início dos anos 60 conseguiu uma bolsa para estudar música nos Estados Unidos. Dez anos depois fez mestrado em Exegese, em Roma, e em 1973 retornou para Florianópolis.

Foi ordenado diácono em 30 de outubro de 1955 e presbítero em 25 de fevereiro de 1956, em Roma. Em 1956, assumiu como coadjutor na Paróquia Santíssima Trindade, em Florianópolis. Na cidade, desempenhou importantes trabalhos ao longo de seu sacerdócio. Este ano, comemorou o jubileu de diamante.

Na Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Padre Ney fez parte do Grupo de Reflexão de Música Litúrgica.

Velório

O velório se realizou na Catedral Metropolitana de Florianópolis, seguido pela missa de corpo presente e o sepultamento, no Cemitério Jardim da Paz.

Entrevista: “Não se pode perder tempo”

Em suas passagens por Roma, Padre Ney sempre concedia entrevistas ao Programa Brasileiro. Em abril de 2012, em uma pausa de seu trabalho na Comissão Bíblica, conversou com a RV e revelou que, ao lado de suas múltiplas atividades, também estava engajado na Pastoral Carcerária, visitando os detentos.

“A visita aos presos é um ato, uma ação humana, tão importante. Jesus mesmo falou mesmo ‘Eu estava preso, vocês me visitaram’, que eu faço isso com este espírito. Então eu consigo conciliar não só a atividade de docente, a de pesquisa, escrevo artigos, faço revisões, contribui para a Bíblia da CNBB, para todas as edições da Bíblia que apareceram no Brasil desde 1974, 1975. Dá para conciliar isto com a Pastoral Carcerária e também com a Pastoral Musical-litúrgica. Sou compositor e regente do coro da Catedral desde 1973. Estou conseguindo manter isto ainda, né... É claro que às vezes dá um certo cansaço, por causa da multiplicidade das tarefas...”.

“Lembro-me sempre daquilo que diz o nosso querido Padre Libânio, jesuíta de MG (Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 1932 — Curitiba, 30 de janeiro de 2014, ndr) ... muito sábio... temos mais ou menos a mesma idade... Ele diz que ‘o dia tem sempre 24 horas, não tem mais nem menos. Temos que saber administrá-las dentro do possível. Não se pode fazer mais! Mas não se pode perder tempo...”. 

(CM-cnbb)

Fonte: Rádio Vaticano