Estatuto Social

Dom Gallagher: cristãos sempre mais discriminados na Europa

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cidade do Vaticano (RV) – O secretário para as Relações com os Estados do Vaticano, Dom Paul Richard Gallagher, esteve na Universidade Católica de Milão nesta quinta-feira (30) para participar como relator de um convênio sobre os atuais desafios dos cristãos.

O prelado abordou como tema “a Santa Sé e a defesa do direito à liberdade religiosa de Pio XI a Francisco”.
Dom Gallagher observou como ultimamente, em escala mundial e “sem exceção no continente europeu”, estamos testemunhando que o respeito à liberdade religiosa está comprometido, “com uma pior preocupação das condições dessa liberdade fundamental, que em vários casos alcançou um grau de uma perseguição aberta, em que sempre mais frequentemente os cristãos são as primeiras vítimas, se bem que, não as únicas”.
Segundo o prelado, fatores determinantes dessas situações alarmantes podem ser reconduzidas aos “Estados autoritários e não-democráticos”. A essa realidade se constata também que, “inclusive em muitos países de antiga tradição democrática, a dimensão religiosa tende a ser vista com uma certa suspeita, seja por causa das problemáticas inerentes ao contexto multicultural seja pelo afirmar-se ideológico de uma visão secularista, segundo as quais as religiões representariam uma forma de ‘subcultura’, portadoras de um passado para ser superado”, acrescentou Dom Gallagher.
O prelado revelou durante a sua explanação que, “infelizmente, também na Europa se nota um aumento inquietante de forma de intolerância e de episódios de discriminação em relação aos cristãos”. Entre os anos de 2014 e 2015, segundo o secretário, o Observatório para a Intolerância e a Discriminação contra os Cristãos na Europa recebeu cerca de 1700 notificações de casos de intolerância e de discriminação contra os cristãos no Velho Continente.
"Trata-se de um fenômeno que está despertando uma atenção maior também em âmbito internacional. Deve-se, então, ser um dever das instituições combater toda forma de discriminação de orientação religiosa e, em perspectiva positiva, promover e proteger a liberdade religiosa, do mesmo modo e com todos os instrumentos pela defesa de cada direito fundamental”, concluiu o prelado. (AC)

Fonte: Rádio Vaticano