Estatuto Social

O Papa pelo Sudão do Sul: projeto em favor de vítimas da violência

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cidade do Vaticano (RV) - “O Papa pelo Sudão”: assim se chama a iniciativa de apoio no campo da saúde, da educação e do trabalho agrícola com a qual o Papa Francisco quis manifestar concretamente caridade e proximidade à população do país africano em guerra desde 2013 devido a rivalidade entre as lideranças políticas da mais nova nação do continente negro.

A iniciativa coloca-se ao lado da obra de várias congregações religiosas e organismos internacionais cujos representantes, junto com o prefeito do Dicastério para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Cardeal Peter Turkson, fizeram esta quarta-feira (21/06), na Sala de Imprensa da Santa Sé, a apresentação do projeto.

Há uma gravíssima crise humanitária no Sudão do Sul devido a guerra vivida em meio ao silêncio do mundo: mais de sete milhões de pessoas passam fome, um milhão e meio é obrigado a fugir e agora milhares correm o risco de uma epidemia de cólera.

Todos os dias registram-se no país massacres e atrocidades e o “Papa Francisco jamais cessou de rezar e de pensar nessas vítimas que têm permanecido sem ser ouvidas. O Pontífice não pode visitar o país por esta total insegurança, mas quer fazer-se próximo de outro modo, esperando poder vê-las com seus olhos”, disse o purpurado apresentando as iniciativas do Santo Padre:

Duas iniciativas no campo da saúde, uma no campo da educação e outra no campo da agricultura, âmbitos nos quais “sempre a Igreja expressa sua contribuição em favor dos últimos, ajudando para um desenvolvimento verdadeiramente integral. O Cardeal Turkson:

“O Santo Padre espera vivamente poder ir a este país o quanto antes em visita oficial. A Igreja jamais fecha à esperança num território tão sofrido. Aliás, convida à solidariedade, à compaixão e a escolhas audazes e a crer que a Divina Providência é sempre capaz de realizar aquilo que o coração do homem não ousa esperar.

Os fundos alocados – uma cifra pouco inferior a meio milhão de dólares – derivam da caridade do Papa, da Secretaria de Estado, do Dicastério para o Desenvolvimento Humano Integral e dos benfeitores, explicou ainda o cardeal ganense.

O Papa e o Vaticano – ativo numa mediação política em busca da paz – ainda espera poder realizar uma viagem oficial à África. (RL/GC)

Fonte: Rádio Vaticano