Estatuto Social

Santa Sé sobre combate às drogas: não existem "pessoas irrecuperáveis"

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cidade do Vaticano (RV) - “Considerar as pessoas irrecuperáveis é um ato de rendição que desmente as dinâmicas psicológicas prepostas para a mudança e oferece álibi ao descompromisso do toxicômano e às instituições que têm a tarefa de prevenir e de curar.”

É o veemente apelo contido na parte final da mensagem para o Dia internacional de combate ao abuso e ao tráfico ilícito de drogas, assinada pelo presidente do dicastério vaticano para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral, Cardeal Peter Turkson.

Não à resignação

Não se pode aceitar que a sociedade metabolize o uso de drogas como um traço crônico da época atual, igualmente ao consumo de álcool e ao tabagismo, esquivando-se de um debate incisivo sobre os espaços de liberdade do Estado e do cidadão diante do uso de substâncias, observa.

Analogamente, não se deve minimizar as dependências que nascem e se desenvolvem com características complexas, ligadas a evidências clínicas pré-existentes ou consequentes ao uso de substâncias psicoativas: “é o caso da chamado ‘dúplice diagnóstico’, terreno do distúrbio psiquiátrico, que exige muito em fase de tratamento”, precisa o purpurado ganense.

Não podemos cair na injustiça de classificar o toxicômano como se fosse um objeto ou um mecanismo defeituoso”, adverte ele: “Toda pessoa deve ser valorizada e apreciada em sua dignidade para poder ser curada”.

Chamar em causa todos os atores sociais

“Políticas e estratégias de amplo alcance, fundadas na prevenção primária, não podem deixar de chamar em causa todos os atores sociais, partindo novamente do compromisso de educar”, lê-se na mensagem.

Superar rivalidades e isenção de responsabilidade

“Não é tempo de protagonismos, mas de ‘redes’ capazes de reativar as sinapses sociais e educativas superando as competições inúteis, as atribuições a outros e a formas de isenção de responsabilidade”, de modo a dar aos jovens a “guinada justa”, como nos exorta a fazer o Papa Francisco. (RL/Sir)

Fonte: Rádio Vaticano