Estatuto Social

Cardeal Pell retorna à Austrália para responder acusações de abusos

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cidade do Vaticano (RV) - Com pesar, a Santa Sé recebeu a notícia da abertura do processo penal na Austrália contra o prefeito da Secretaria para a Economia, Cardeal George Pell, pelas imputações referentes a fatos ocorridos décadas atrás. É o que informa um comunicado da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Ao tomar conhecimento, no pleno respeito das leis civis e reconhecendo a importância de sua participação a fim de que o processo possa realizar-se de modo justo e assim favorecer à busca da verdade, o Cardeal Pell decidiu retornar a seu país para enfrentar as acusações que lhe foram atribuídas.

Informado pelo próprio purpurado, o Santo Padre concedeu-lhe um período de dispensa para que o mesmo possa defender-se. Durante a ausência do prefeito, a Secretaria para a Economia continuará desempenhando suas tarefas institucionais. Os secretários continuarão em seus cargos para a prossecução das questões ordinárias, donec aliter provideatur (até novas disposições, ndr), lê-se no comunicado.

O Santo Padre, que pôde apreciar a honestidade do Cardeal Pell durante os três anos de trabalho na Cúria Romana, é-lhe grato pela colaboração e, em particular, pelo enérgico empenho em favor das reformas no setor econômico e administrativo e pela ativa participação no Conselho de Cardeais (C9), acrescenta ainda.

A Santa Sé expressa respeito pela justiça australiana que deverá decidir o mérito das questões levantadas.

Ao mesmo tempo – afirma –, “deve-se recordar que há décadas o Cardeal Pell condenou abertamente e repetidamente os abusos cometidos contra menores como atos imorais e intoleráveis, cooperou no passado com as Autoridades australianas”, apoiou a criação da Pontifícia Comissão para a Tutela dos Menores e, por fim, “como Bispo diocesano na Austrália introduziu sistemas e procedimentos para a proteção de menores e para dar assistência às vítimas de abusos”, conclui o comunicado.

Chamado a comparecer no Tribunal no próximo 18 de julho, o purpurado reiterou sua inocência anunciando – em declaração na Sala de Imprensa da Santa Sé – que se defenderá “com todas as forças” destas “falsas” acusações.

“Trata-se de um acirramento sem trégua”, afirmou o Cardeal Pell, mas “agora estou contente por finalmente poder defender-me nos tribunais. Reitero a minha inocência em relação a estas acusações. São falsas. A própria ideia de abusos sexuais é para mim repugnante”.

“O processo judiciário me dará a oportunidade de rechaçar todas as acusações e de retomar meu trabalho em Roma”, ressaltou. (RL)

Fonte: Rádio Vaticano