Estatuto Social

Scaraffia: ouvir também as mulheres para escolha dos bispos

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Madri (RV) - Nas consultas para a escolha dos novos bispos as mulheres deveriam ser muito mais ouvidas.

Essa, em síntese, é a proposta da editorialista e consultora editorial do L’Osservatore Romano, Lucetta Scaraffia, lançada num artigo publicado no último número da revista “Vida Nueva”, de 27 de julho.

Pastores eleitos pelo rebanho

O semanário espanhol havia dedicado a edição de 24 a 30 de junho ao tema da escolha dos bispos tendo como matéria de capa Pastores elegidos per el rebaño (Pastores eleitos pelo rebanho), trazendo também uma entrevista ao arcebispo de Tegucigalpa e coordenador do Conselho dos cardeais (C9), Cardeal Óscar Andrés Rodríguez Maradiaga.

A historiadora italiana – que é também responsável pelo encarte mensal “mulheres igreja mundo” do L’Osservatore Romano – dá assim sua contribuição para o debate e, recordando que todas as instituições devem enfrentar “o problema da seleção das classes dirigentes”, ressalta que para a designação dos bispos a Igreja elaborou um sistema de antiga tradição “que sempre funcionou muito bem”.

Escassez da presença feminina nas consultas

“Efetivamente, a pesquisa sobre possíveis candidatos prevê hoje uma ampla consulta de eclesiásticos que desempenham encargos de responsabilidade, bem como de leigos que colaboraram com eles ou que simplesmente os conhecem. Trata-se, portanto, de uma variedade de vozes capacitadas para tal, mas na qual se verifica a escassez da presença feminina”, observa Scaraffia.

Aliás, “as mulheres seguramente entendem melhor aquilo que se pode definir os lados menos oficiais de uma personalidade, como a capacidade de relacionar-se com os outros, de ver os outros e de aceitá-los. São todas qualidades indispensáveis para dirigir uma diocese com credibilidade e humanidade” , acrescenta.

As mulheres são mais livres para pensar somente no bem da Igreja

“Ademais, as mulheres teriam uma vantagem ao desempenhar esse papel de conselheiras: a liberdade. Não podendo fazer carreira na Igreja, o juízo delas, positivo ou negativo que seja, não pode ser influenciado por projetos pessoais, por esperança de apoio ou temores de concorrência. As mulheres são livres para pensar somente no bem da Igreja, e quase sempre o fazem.”

Scaraffia conclui escrevendo que a situação atual “não corresponde à realidade: de fato, tanto as religiosas quanto as leigas engajadas na vida da Igreja são, de muitos pontos de vista, indispensáveis para o bom andamento de uma diocese. Por que, então, considerá-las somente como servidoras zelosas, que devem obedecer sem participar das escolhas?” (RL/L’Osservatore Romano)

Fonte: Rádio Vaticano