Estatuto Social

Terra Santa: Dom Pizzaballa, "muro israelense é uma vergonha"

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Roma (RV) - “O muro israelense é uma vergonha, e permanece tal.

É uma ferida na história, na geografia, na vida das pessoas, um símbolo dolorosíssimo da situação de incomunicabilidade entre israelenses e palestinos, do medo, da falta de perspectivas e de visão das duas partes.”

Disse o administrador apostólico do Patriarcado Latino de Jerusalém, Dom Pierbattista Pizzaballa, numa coletiva de imprensa realizada na manhã desta terça-feira (22/08) no Encontro de Rimini, centro-norte da Itália.

“Há gerações de palestinos que jamais estiveram da outra parte do muro, e o mesmo vale para os israelenses. É um sinal da triste situação na qual nos encontramos hoje” – afirmou o arcebispo.

Falta de diálogo entre israelenses e palestinos

“Neste momento não há diálogo entre israelenses e palestinos, não temos diante de nós grandes cenários e nem mesmo grandes visões. Estamos numa fase de estagnação”, reconheceu Dom Pizzaballa.

A situação de ambiguidade pesa de modo particular, não há paz, nem guerra, e esta condição “está deteriorando a situação. O único caminho de salvação é trabalhar nas pequenas realidades à espera de que a comunidade internacional faça alguma coisa”.

Questão Jerusalém é crucial na crise israelense-palestina

Uma das questões cruciais, se não “o problema” da crise entre israelenses e palestinos é Jerusalém: enquanto houver alguém, israelense ou palestino, que rejeite a ligação do outro à cidade santa será um problema”, reiterou o administrador apostólico.

Em Jerusalém judeus, cristãos e muçulmanos devem sentir-se em casa. E para que isso aconteça todos devem ser acolhidos. Neste momento, infelizmente, os fatos não vão nessa direção. É tarefa dos líderes religiosos e dos políticos deixar de considerar Jerusalém como exclusivamente própria, mas propriedade aberta a todos para partilhar a sua pertença”, disse ainda Dom Pizzaballa. (RL/Sir)

Fonte: Rádio Vaticano.