Estatuto Social

Pe. Antonio Rivero L.C.: “Aprender a dizer “Sim”, como Maria”

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Comentario á liturgia dominical, 01/10/2017

COMENTARIO À LITURGIA DOMINICAL

Domingo XXVI

Ciclo A

Textos: Ezequiel 18, 25-28; Filipenses 2, 1-11; Mateus 21, 28-32

Pe. Antonio Rivero L. C., Doutor em Teologia Espiritual, professor do Noviciado da Legião de Cristo em Monterrey (México) e colaborador do Centro Sacerdotal Logos, na formação dos sacerdotes diocesanos.

Ideia principal: Não bastam as palavras, o que conta são os fatos.

Resumo da mensagem: Cristo, falando aos dirigentes dos judeus, que acreditavam que pertencer ao povo eleito de Deus já estava tudo conseguido, fala-nos também para nós. Esta parábola será complementada com as próximas dos seguintes domingos: a vinha que o dono tem que arrendar para outros, e o banquete festivo ao que tem convidar outros, diante da rejeição dos primeiros convidados. O povo eleito não soube ver o dia da graça, não soube acolher o Enviado de Deus.

Pontos da ideia principal:

Em primeiro lugar, fatos, não palavras. O primeiro filho disse: “sim, mas não foi”. Jesus critica a hipocrisia dos fariseus, e a nossa, que cuidavam a fachada com mil palavras vazias e altissonantes, mas não os conteúdos da sua fé. Não poderia acontecer a mesma coisa conosco? É fácil quando estamos na igreja, cantar cantos ao Senhor, ou responder “amém” a orações e propósitos. Porém, depois essa fé se traduz em obras? Quantos de nós estamos batizados, fizemos a primeira comunhão, somos casados pela Igreja, vamos à missa aos domingos, levamos uma medalha no pescoço, fazemos peregrinações a santuários, rezamos o terço…e depois, na vida, o nosso estilo de atuação não se parece em nada ao que dizem acreditar. Pronunciamos o “sim” superficialmente, sem personalidade, por costume ou por medo.

Em segundo lugar, fatos, não palavras. O segundo filho, quem é? “Disse não, mas depois foi”. Quantos estamos refletidos nesse segundo filho! Temos momentos de rebeldia: rebeldia contra a autoridade paterna ou contra os superiores ou contra a Igreja ou contra Deus mesmo. Momentos de desânimo ou de birras. Momentos de inconstância e de cansaço. Momentos de irreflexão ou de egoísmo. Causas dessa mudança de humor? Influências externas que são autenticas rajadas ideológicas e éticas; talvez este filho do “não, mas sim” não recebeu a semente da fé na família ou na escola. Certamente não seria o modelo para seguir este filho; Jesus não nos convida a imitar este filho ou as prostitutas ou os publicanos, mas imitar a capacidade que tiveram de se converter e mudar. Se essas pessoas estão adiante no Reino, não é pelo que tinham sido, mas pela mudança que deram, como o bom ladrão, na última hora, na cruz.

Finalmente, fatos , não palavras. O ideal é dizer “sim” com convicção e logo ser consequente e perseverar no bem. Jesus já disse em outros momentos: “Não entrará no Reino dos Céus aquele que diz Senhor, Senhor, mas o que cumpre a vontade do meu Pai do céu…o que cumpre a vontade do meu Pai do céu, esse é o meu irmão, a minha irmã e a minha mãe…o que edifica sobre rocha é o que ouve estas palavras e as coloca em prática…que o nosso sim seja sim, e o nosso não, não”. As declarações, as promessas e as manifestações duram pouco. O que custa é agir com coerência. Dizer “sim” é simples. Mas agir conforme a esse “sim”, é outra história. Portanto: Sim, à vontade de Deus. Sim, à verdade, à castidade, à obediência, ao respeito, à caridade. Sim, para ajudar o pobre, o emigrante, o doente. Sim, à oração e ao sacrifício. Sim, aos momentos de luz e de escuridão; de alegria e de tristeza, de êxito e de fracasso. E por consequência: Não, ao pecado, e às manifestações do mesmo.

Para refletir: ao qual dos três filhos nos parecemos: “Sim, mas não…Não, mas sim…Sim e é sim? Com qual queremos parecer de hoje em adiante? Pensemos nisto: quantos santos e santas veneramos que foram do “Não, mas depois foram”: santo Agostinho, santa Maria Madalena, santo Inácio de Loyola…! E também temos santos do “Sim e foram”: santa Teresa do Menino Jesus, Teresa de Jesus, são João XXIII e são João Paulo II…Porém não temos santos do “Sim, mas não foi”.

Para rezar: Senhor, desejo aprender de Vós a dizer “Sim”, como a vossa Mãe Santíssima. Senhor, fácil é dizer de boca “Sim”, mas difícil praticá-lo. Dai-me coerência de vida entre a minha palavra e o meus fatos.

Qualquer sugestão ou dúvida podem se comunicar com o padre Antonio neste e-mail:

Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Fonte: ZENIT.