Estatuto Social

Dia das Mães: Papa Francisco fala da Mãe Maria

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

As palavras do papa Francisco aos participantes da audiência geral do último dia 10 de maio apresentam elementos de Maria, a mãe de Deus, que podem orientar para a virtude da esperança e para um caminho motivador diante das dificuldades.

Às mães, que celebram seu dia neste domingo, 14, é um roteiro com as dimensões daquela que foi, como disse o pontífice, “a maior e a melhor das Mães”.

Esperança, coragem, obediência, silêncio, escuta e presença são os elementos, segundo a reflexão do papa Francisco, que nutrem o amor filial dos cristãos por Maria. “Não somos órfãos: temos uma mãe no céu, que é a Santa Mãe de Deus. Porque nos ensina a virtude da esperança, até quando tudo parece sem sentido: ela permanece sempre confiante no mistério de Deus, até quando Ele parece desaparecer por culpa do mal do mundo”, disse Francisco.

Seguindo o itinerário de catequeses sobre a esperança cristã, o papa explicou que o “sim” de Maria foi corajoso: “ainda na flor da idade, ela respondeu com coragem, não obstante nada soubesse do destino que a esperava. Maria, naquele instante, parece uma das muitas mães do nosso mundo, corajosas até ao extremo quando se trata de acolher no próprio ventre a história de um novo homem que nasce”.

“Aquele ‘sim’ foi o primeiro passo de uma longa lista de obediências que acompanharão todo o seu itinerário de mãe”, continuou Francisco, ressaltando a expressão “longa lista de obediências”. Já o silêncio de Maria, o modelo de mãe, põe em evidência a meditação sobre as palavras e os acontecimentos em seu coração, mesmo quando não havia compreendido tudo o que acontecia em seu redor.

Às mães deste tempo, diante de tantas dificuldades, há a possibilidade de imitar o “perfil belíssimo da psicologia de Maria”, que de acordo com Francisco não é uma mulher que se deprime face às incertezas da vida, especialmente quando nada parece correr bem. “Nem sequer uma mulher que protesta com violência, que se enfurece contra o destino da vida que muitas vezes nos revela um semblante hostil. Ao contrário, é uma mulher que ouve”. A escuta tem uma “grande relação” com a esperança. “Maria acolhe a existência do modo como se apresenta a nós, com os seus dias felizes, mas também com as suas tragédias que nunca gostaríamos de ter encontrado. Até à noite suprema de Maria, quando o seu Filho foi pregado na cruz”, explica o papa.

Maria ‘estava’
A presença de Maria nos momentos mais importantes da vida de Jesus, até quando grande parte dos amigos haviam fugido por terem medo, revela uma virtude: “as mães não traem”. “Maria está fielmente presente, cada vez que surge a necessidade de manter uma vela acesa num lugar de bruma e neblina”, disse Francisco. A discreta presença de Nossa Senhora nos textos dos Evangelhos foi ressaltada na reflexão de Bergoglio, assim como a presença que também demonstra o sofrimento das mães: “todos nós conhecemos mulheres fortes que enfrentaram muitos sofrimentos dos filhos!”, lembrou o papa.

Maria está presente no nascimento da Igreja. “Ela, mãe de esperança, no meio daquela comunidade de discípulos tão frágeis: um negou, muitos fugiram, todos sentiram medo. Mas ela simplesmente estava ali, do modo mais normal, como se fosse algo totalmente natural: na primeira Igreja envolvida pela luz da Ressurreição, mas também pelos tremores dos primeiros passos que devia dar no mundo”, contou o bispo de Roma.

O conselho do papa é que nos momentos de dificuldade, “Maria, a Mãe que Jesus ofereceu a todos nós, possa sempre amparar os nossos passos e dizer ao nosso coração: ‘Levanta-te! Olha em frente, olha para o horizonte’, porque Ela é Mãe de esperança”.

Fonte: CNBB