Estatuto Social

Quinta - Feira, 09 de Julho de 2015 - 5ª-feira da 14ª Semana Tempo Comum

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cor: Branco

Leituras do Dia


1ª Leitura - Gn 44,18-21.23b-29; 45,1-5
Salmo - Sl 104,16-17. 18-19. 20-21 (R. 5a)
Evangelho - Mt 10,7-15
Reflexão - Mt 10, 7-15

1ª Leitura - Gn 44,18-21.23b-29; 45,1-5

Naqueles dias:
18Judá aproximou-se de José e, cheio de ânimo, disse:
"Perdão, meu senhor,
permite ao teu servo falar com toda a franqueza,
sem que se acenda a tua cólera contra mim.
Afinal, tu és como um faraó!
19Foi meu senhor quem perguntou a seus servos:
"Ainda tendes pai ou algum outro irmão?"
20E nós respondemos ao meu senhor:
"Temos um pai já velho e um menino
nascido em sua velhice,
cujo irmão morreu;
é o único filho de sua mãe que resta,
e seu pai o ama com muita ternura".
21E tu disseste a teus servos:
"Trazei-o a mim, para que eu possa vê-lo".
23b"Se não vier convosco o vosso irmão mais novo,
não vereis mais a minha face".
24Quando, pois, voltamos para junto de teu servo, nosso pai,
contamos tudo o que o meu senhor tinha dito.
25Mais tarde disse-nos nosso pai:
"Voltai e comprai para nós algum trigo".
26E nós lhe respondemos: "Não podemos ir,
a não ser que o nosso irmão mais novo vá conosco.
De outra maneira, sem ele,
não nos podemos apresentar àquele homem".
27E o teu servo, nosso pai, respondeu:
"Bem sabeis que minha mulher me deu apenas dois filhos.
28Um deles saiu de casa e eu disse:
Um animal feroz o devorou!
E até agora não apareceu.
29Se me levardes também este,
e lhe acontecer alguma desgraça no caminho,
fareis descer de desgosto meus cabelos brancos
à morada dos mortos" ".
45,1Então José não pôde mais conter-se
diante de todos os que o rodeavam,
e gritou: "Mandai sair toda a gente!".
E, assim, não ficou mais ninguém com ele,
quando se deu a conhecer aos irmãos.
2José rompeu num choro tão forte,
que os egípcios ouviram e toda a casa do Faraó.
3E José disse a seus irmãos:
"Eu sou José! Meu pai ainda vive?"
Mas os irmãos não podiam responder-lhe nada,
pois foram tomados de um enorme terror.
4Ele, porém, cheio de clemência, lhes disse:
"Aproximai-vos de mim".
Tendo-se eles aproximado, disse:
"Eu sou José, vosso irmão,
a quem vendestes para o Egito.
5Entretanto, não vos aflijais, nem vos atormenteis,
por me terdes vendido a este país.
Porque foi para a vossa salvação
que Deus me mandou adiante de vós, para o Egito".
Palavra do Senhor.

Salmo - Sl 104,16-17. 18-19. 20-21 (R. 5a)

16Mandou vir, então, a fome sobre a terra *
e os privou de todo pão que os sustentava;
17um homem enviara à sua frente, *
José que foi vendido como escravo.R.

18Apertaram os seus pés entre grilhões *
e amarraram seu pescoço com correntes,
19até que se cumprisse o que previra, *
e a palavra do Senhor lhe deu razão.R.

20Ordenou, então, o rei que o libertassem, *
o soberano das nações mandou soltá-lo;
21fez dele o senhor de sua casa, *
e de todos os seus bens o despenseiro.R.

Evangelho - Mt 10,7-15

De graça recebestes, de graça deveis dar! Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
7Em vosso caminho, anunciai:
"O Reino dos Céus está próximo".
8Curai os doentes, ressuscitai os mortos,
purificai os leprosos, expulsai os demônios.
De graça recebestes, de graça deveis dar!
9Não leveis ouro, nem prata, nem dinheiro nos vossos cintos;
10nem sacola para o caminho,
nem duas túnicas, nem sandálias, nem bastão,
porque o operário tem direito ao seu sustento.
11Em qualquer cidade ou povoado onde entrardes,
informai-vos para saber quem ali seja digno.
Hospedai-vos com ele até a vossa partida.
12Ao entrardes numa casa, saudai-a.
13Se a casa for digna, desça sobre ela a vossa paz;
se ela não for digna, volte para vós a vossa paz.
l4Se alguém não vos receber, nem escutar vossa palavra,
saí daquela casa ou daquela cidade,
e sacudi a poeira dos vossos pés.
15Em verdade vos digo, as cidades de Sodoma e Gomorra
serão tratadas com menos dureza do que aquela cidade,
no dia do juízo.
Palavra da Salvação.

Reflexão - Mt 10, 7-15

A vida de quem é discípulo de Jesus consiste em fazer as obras do reino de Deus para manifestar a sua presença no meio dos homens. É deixar de lado as suas próprias obras para que, como enviado por Jesus, realize as obras de Deus. Para que isso seja possível, o discípulo de Jesus não deve colocar a sua confiança nos bens materiais, mas em Deus, que tudo proverá para que a sua obra seja coroada de êxito. Com essa confiança em Deus, o discípulo de Jesus deve procurar estar atento a tudo o que acontece ao seu redor, para que não perca nenhuma chance de fazer o bem aos que necessitam dele e possa ser, também, um promotor da paz.

Fonte: CNBB