Estatuto Social

Quinta - Feira, 27 de Agosto de 2015 - 5ª-feira da 21ª Semana Tempo Comum

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cor: Branco

Leituras do Dia


1ª Leitura - 1Ts 3,7-13
Salmo - Sl 89,3-4. 12-13. 14.17 (R. 14)
Evangelho - Mt 24,42-51
Reflexão - Mt 24, 42-51

1ª Leitura - 1Ts 3,7-13

O Senhor vos conceda que o amor entre vós e para com todos
aumente e transborde sempre mais. Irmãos:
3Que ninguém seja abalado em meio às tribulações presentes
- pois bem sabeis que esse é o nosso destino.
4Quando estávamos entre vós, vos preveníamos
de que seria necessário sofrer tribulações
e foi o que aconteceu, bem o sabeis.
5Foi por isso que, não podendo mais esperar,
mandei saber notícias da vossa fé,
temendo que o Tentador vos tivesse seduzido
e o nosso trabalho tivesse sido inútil.
6Agora, Timóteo acaba de chegar da vossa comunidade
e traz-nos boas notícias
a respeito da vossa fé e do vosso amor;
ele diz também que guardais sempre boa lembrança de nós
e que desejais rever-nos
tanto quanto nós desejamos rever-vos a vós.
7Por isso, irmãos, ficamos confortados,
em meio a toda angústia e tribulação,
pela notícia acerca de vossa fé.
8Agora sentimo-nos reviver,
porque vós estais firmes no Senhor.
9Como podemos agradecer a Deus
por toda a alegria que nos invade diante do nosso Deus,
por causa de vós?
10Noite e dia rezamos efusivamente
para vos rever e completar o que ainda falta na vossa fé.
11Que o próprio Deus e nosso Pai, e nosso Senhor Jesus
dirijam os nossos passos até a vós.
12O Senhor vos conceda que o amor entre vós e para com todos
aumente e transborde sempre mais,
a exemplo do amor que temos por vós.
13Que assim ele confirme os vossos corações
numa santidade sem defeito aos olhos de Deus, nosso Pai,
no dia da vinda de nosso Senhor Jesus,
com todos os seus santos.
Palavra do Senhor.

Salmo - Sl 89,3-4. 12-13. 14.17 (R. 14)

3Vós fazeis voltar ao pó todo mortal, *
quando dizeis: "Voltai ao pó, filhos de Adão!"
4Pois mil anos para vós são como ontem, *
qual vigília de uma noite que passou.R.

12Ensinai-nos a contar os nossos dias, *
e dai ao nosso coração sabedoria!
13Senhor, voltai-vos! Até quando tardareis? *
Tende piedade e compaixão de vossos servos!R.

14Saciai-nos de manhã com vosso amor, *
e exultaremos de alegria todo o dia!
17Que a bondade do Senhor e nosso Deus *
repouse sobre nós e nos conduza!
Tornai fecundo, ó Senhor, nosso trabalho, *
fazei dar frutos o labor de nossas mãos!R.

Evangelho - Mt 24,42-51

Ficai preparados! Naquele tempo disse Jesus aos seus discípulos:
42Ficai atentos!
porque não sabeis em que dia virá o Senhor.
43Compreendei bem isso:
se o dono da casa soubesse a que horas viria o ladrão,
certamente vigiaria e não deixaria
que a sua casa fosse arrombada.
44Por isso, também vós ficai preparados!
Porque na hora em que menos pensais,
o Filho do Homem virá.
45Qual é o empregado fiel e prudente,
que o senhor colocou como responsável pelos demais empregados,
para lhes dar alimento na hora certa?
46Feliz o empregado,
cujo senhor o encontrar agindo assim, quando voltar.
47Em verdade vos digo,
ele lhe confiará a administração de todos os seus bens.
48Mas, se o empregado mau pensar:
"Meu senhor está demorando",
49e começar a bater nos companheiros,
a comer e a beber com os bêbados;
50então o senhor desse empregado
virá no dia em que ele não espera,
e na hora que ele não sabe.
51Ele o partirá ao meio e lhe imporá a sorte dos hipócritas.
Ali haverá choro e ranger de dentes.
Palavra da Salvação.

Reflexão - Mt 24, 42-51

Duas virtudes nos são colocadas pelo Evangelho de hoje: fidelidade e prudência. Servo fiel é aquele que não precisa ser vigiado o tempo todo a fim de realizar tudo o que é da sua competência, é aquele que merece a confiança do seu senhor, o que não quer dizer submissão cega e inconseqüente, mas sim a pessoa ser totalmente responsável por aquilo que faz. Prudência significa agir com cautela, procurando evitar todo tipo de erro, fugindo de todo mal, principalmente do pecado e de suas conseqüências, o que não quer dizer covardia e medo, mas sim uma busca de maior consciência dos próprios atos.

Fonte: CNBB