Estatuto Social

Quarta - Feira, 21 de Outubro de 2015 - 4ª-feira da 29ª Semana Tempo Comum

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Cor: Verde

Leituras do Dia


1ª Leitura - Rm 6, 12-18
Salmo - Sl 123,1-3. 4-6. 7-8 (R. 8a)
Evangelho - Lc 12, 39-48
Reflexão - Lc 12, 39-48

1ª Leitura - Rm 6, 12-18

Oferecei-vos a Deus como pessoas que passaram da morte à vida. Irmóos:
12Que o pecado nóo reine mais em vosso corpo mortal,
levando-vos a obedecer às suas paixðes.
13Nóo ofereçais mais vossos membros ao pecado
como armas de iniqüidade.
Pelo contrário, oferecei-vos a Deus como pessoas vivas,
isto é, como pessoas que passaram da morte à vida,
e ponde vossos membros ao serviço de Deus
como armas de justiça.
14De fato, o pecado nóo vos dominará,
visto que nóo estais sob o regime da Lei,
mas sob o regime da graça.
15Entóo, iremos pecar,
porque nóo estamos sob o regime da Lei,
mas sob o regime da graça?
De modo algum!
16Acaso nóo sabeis que,
oferecendo-vos a alguém como escravos,
sois realmente escravos daquele a quem obedeceis,
seja escravos do pecado para a morte,
seja escravos da obediência para a justiça?
17Graças a Deus que vós,
depois de terdes sido escravos do pecado,
passastes a obedecer, de coraçóo, aos ensinamentos,
aos quais fostes entregues.
18Libertados do pecado,
vos tornastes escravos da justiça.
Palavra do Senhor.

Salmo - Sl 123,1-3. 4-6. 7-8 (R. 8a)

1Se o Senhor não estivesse ao nosso lado, *
que o diga Israel neste momento;
2se o Senhor não estivesse ao nosso lado, *
quando os homens investiram contra nós,
3com certeza nos teriam devorado *
no furor de sua ira contra nós.R.

4Então as águas nos teriam submergido, *
a correnteza nos teria arrastado,
5e então, por sobre nós teriam passado *
essas águas sempre mais impetuosas.
6Bendito seja o Senhor, que não deixou *
cairmos como presa de seus dentes!R.

7Nossa alma como um pássaro escapou *
do laço que lhe armara o caçador;
o laço arrebentou-se de repente, *
e assim nós conseguimos libertar-nos.
8O nosso auxílio está no nome do Senhor, *
do Senhor que fez o céu e fez a terra!R.

Evangelho - Lc 12, 39-48

A quem muito foi dado, muito será pedido. Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:
39Ficai certos: se o dono da casa
soubesse a hora em que o ladrão iria chegar,
não deixaria que arrombasse a sua casa.
40Vós também ficai preparados!
Porque o Filho do Homem vai chegar
na hora em que menos o esperardes".
41Então Pedro disse:
"Senhor, tu contas esta parábola para nós ou para todos?"
42E o Senhor respondeu:
"Quem é o administrador fiel e prudente
que o senhor vai colocar à frente do pessoal de sua casa
para dar comida a todos na hora certa?
43Feliz o empregado que o patrão, ao chegar,
encontrar agindo assim!
44Em verdade eu vos digo:
o senhor lhe confiará a administração de todos os seus bens.
45Porém, se aquele empregado pensar:
"Meu patrão está demorando",
e começar a espancar os criados e as criadas,
e a comer, a beber e a embriagar-se,
46o senhor daquele empregado chegará num dia inesperado
e numa hora imprevista,
ele o partirá ao meio
e o fará participar do destino dos infiéis.
47Aquele empregado que, conhecendo a vontade do senhor,
nada preparou, nem agiu conforme a sua vontade,
será chicoteado muitas vezes.
48Porém, o empregado que não conhecia essa vontade
e fez coisas que merecem castigo,
será chicoteado poucas vezes.
A quem muito foi dado, muito será pedido;
a quem muito foi confiado, muito mais será exigido!
Palavra da Salvação.

Reflexão - Lc 12, 39-48

O Filho do Homem vai chegar na hora em que menos esperamos, pois ele está sempre chegando até nós nos pobres e necessitados. Os que esperam a vinda de Jesus somente no último dia tornam-se pregadores do fim do mundo e vivem uma fé ritual, são incapazes de amar verdadeiramente e, na verdade, não conhecem Jesus presente em suas vidas, possuem uma fé egoísta, pois a espera de Jesus não é para o encontro com ele, mas para ganhar o prêmio eterno. A longa espera e a falta de vivência concreta do amor faz com que essas pessoas desanimem e maltratem seus irmãos e irmãs, fazendo-se merecedores da sorte dos infiéis.

Fonte: CNBB