Estatuto Social

5ª-feira da 2ª Semana Tempo Comum

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Sta. Inês* VgMt., memória

Cor: Vermelho

1ª Leitura - 1Sm 18,6-9; 19,1-7

Saul, meu pai, procura matar-te.
Leitura do Primeiro Livro de Samuel 18,6-9; 19,1-7
Naqueles dias:
6Quando Davi voltou, depois de ter matado o filisteu,
as mulheres de todas as cidades de Israel
saíram ao encontro do rei Saul,
dançando e cantando alegremente
ao som de tamborins e címbalos.
7E, enquanto dançavam, diziam em coro:
'Saul matou mil, mas Davi matou dez mil'.
8Saul ficou muito encolerizado com isto
e não gostou nada da canção, dizendo:
'A Davi deram dez mil, e a mim somente mil.
Que lhe falta ainda, senão a realeza?'
9E, a partir daquele dia,
não olhou mais para Davi com bons olhos.
19,1Saul falou a Jônatas, seu filho,
e a todos os seus servos
sobre sua intenção de matar Davi.
Mas Jônatas, filho de Saul,
amava profundamente Davi,
2e preveniu-o a respeito disso, dizendo:
'Saul, meu pai, procura matar-te;
portanto, toma cuidado amanhã de manhã,
e fica oculto em um esconderijo.
3Eu mesmo sairei em companhia de meu pai,
no campo, onde estiveres,
e lhe falarei de ti, para ver o que ele diz,
e depois te avisarei de tudo o que eu souber'.
4Então Jônatas falou bem de Davi a Saul, seu pai,
e acrescentou:
'Não faças mal algum ao teu servo Davi,
porque ele nunca te ofendeu.
Ao contrário, o que ele tem feito
foi muito proveitoso para ti.
5Arriscou a sua vida, matando o filisteu,
e o Senhor deu uma grande vitória a todo o Israel.
Tu mesmo foste testemunha e te alegraste.
Por que, então, pecarias,
derramando sangue inocente
e mandando matar Davi sem motivo?'
6Saul, ouvindo isto,
e aplacado com as razões de Jônatas, jurou:
'Pela vida do Senhor, ele não será morto!'
7Então Jônatas chamou Davi
e contou-lhe tudo isto.
Levou-o em seguida a Saul,
para que ele retomasse o seu lugar, como antes.
Palavra do Senhor.

Salmo - Sl 55, 2-3. 9-10ab. 10c-11. 12-13 (R. 5bc)

R. É no Senhor que eu confio e nada temo.

2Tende pena e compaixão de mim, ó Deus, +
pois há tantos que me calcam sob os pés, *
e agressores me oprimem todo dia!
3Meus inimigos de contínuo me espezinham, *
são numerosos os que lutam contra mim!R.

9Do meu exílio registrastes cada passo, +
em vosso odre recolhestes cada lágrima, *
e anotastes tudo isso em vosso livro.
10aMeus inimigos haverão de recuar +
10bem qualquer dia em que eu vos invocar;R.

10ctenho certeza: o Senhor está comigo!
11Confio em Deus e louvarei sua promessa.R.

12É no Senhor que eu confio e nada temo: *
que poderia contra mim um ser mortal?
13Devo cumprir, ó Deus, os votos que vos fiz, *
e vos oferto um sacrifício de louvor,R.

Evangelho - Mc 3,7-12

Os espíritos maus gritavam: 'Tu és o Filho de Deus!'
Mas ele ordenava severamente para não dizerem quem ele era.
+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Marcos 3,7-12
Naquele tempo:
7Jesus se retirou para a beira do mar,
junto com seus discípulos.
Muita gente da Galiléia o seguia.
8E também muita gente da Judéia,
de Jerusalém, da Iduméia, do outro lado do Jordão,
dos territórios de Tiro e Sidônia,
foi até Jesus, porque tinham ouvido falar
de tudo o que ele fazia.
9Então Jesus pediu aos discípulos
que lhe providenciassem uma barca, por causa da multidão,
para que não o comprimisse.
10Com efeito, Jesus tinha curado muitas pessoas,
e todos os que sofriam de algum mal
jogavam-se sobre ele para tocá-lo.
11Vendo Jesus, os espíritos maus caíam a seus pés,
gritando: 'Tu és o Filho de Deus!'
12Mas Jesus ordenava severamente
para não dizerem quem ele era.
Palavra da Salvação.

Reflexão - Mc 3, 7-12

O evangelho de hoje é uma continuação dos evangelhos anteriores e nos mostra que, se por um lado, as autoridades religiosas da época de Jesus não concordavam com o seu modo de agir e com os seus ensinamentos, por outro lado, a multidão cada vez mais aderia aos seus ensinamentos e procurava em Jesus a solução para os seus problemas, naturais ou espirituais. A visão institucionalizada da fé é importante porque nos ajuda a viver comunitariamente o nosso relacionamento com Deus, mas pode ser perigosa enquanto pode submeter o próprio Deus aos critérios da razão humana ou legitimar, em nome de Deus, relacionamentos e costumes meramente humanos que podem até ser opressores e excludentes.