Estatuto Social

CARTA MENSAL- FEVEREIRO DE 2007

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Carta MCC Brasil – Fev/2007 – (1999/2007 – nro. 90) 

“Os fariseus e os saduceus se aproximaram de Jesus e, para pô-lo à prova, pediram que lhes mostrasse um sinal do céu. Ele respondeu-lhes: ‘No fim da tarde, dizeis: ‘Vai fazer tempo bom, pois o céu está cor de fogo’, e de madrugada: ‘Hoje teremos tempestade, pois o céu está vermelho escuro’. Sabeis, pois distinguir muito bem os aspectos do céu; mas não reconheceis os sinais dos tempos!”  (Mt 16, 1-3).  

Amados irmãos e amadas irmãs, meus perseverantes leitores:

Na carta anterior – jan/2007 – refletimos sobre o significado de se iniciar um novo ano na ótica da fé: “Lembremos que não bastam somente as boas intenções ou os costumeiros bons propósitos. A vida do discípulo é sempre um corajoso recomeçar, cada dia tomando a sua cruz e seguindo as pegadas do Mestre (cf Mc 8, 34), jamais tendo medo do novo”.  Pois bem, proponho que continuemos a reflexão anterior a partir do enfrentamento do novo que exige o “tomar a cruz a cada dia” para seguir as “pegadas do Mestre”.  

1. O novo.  O “novo” são os tempos novos; são as transformações sempre mais aceleradas pela ciência e pela tecnologia; é uma nova cultura, produto e origem de uma nova sociedade, de novas mentalidades que estão aí propondo outros valores e outros comportamentos cada vez mais distantes do projeto e da vontade de Deus. O “novo” são, ainda, os acontecimentos e as grandes transformações que, ainda, hão de ocorrer em todos os dias deste ano que começa. Diante desse “novo” - essa nova cultura de velozes mudanças, essas novas mentalidades, esses novos valores - como é que nós, discípulos e missionários do Mestre, poderemos viver a anunciar os valores propostos por Ele nos Evangelhos? Lendo o texto acima, tirado do Evangelho de São Marcos, podemos descobrir nele a resposta que nos é dada pelo próprio Jesus.

2. Os sinais. Através de uma comparação muito simples, Jesus nos diz que devemos estar atentos aos “sinais dos tempos”. Mas, o que são estes “sinais dos tempos”, sobre os quais tanto insistem a Igreja católica e seus Pastores, sobretudo nos seus documentos mais recentes? Ao ler tais documentos, a gente fica se impressiona com a insistência em alguns pontos, por exemplo, ao afirmar que nesses sinais - que são “os acontecimentos variados da vida e do mundo” - podemos descobrir a vontade de Deus.  Esses sinais podem ser tanto os negativos como os positivos.  Entre os negativos encontramos a violência, o ódio, as guerras entre irmãos, as exclusões, as injustiças, as violações dos direitos humanos, a corrupção na política, etc. Entre os positivos estão os grandes benefícios trazidos pelos Meios de Comunicação Social (TV, Rádio, Revistas, Internet, etc.) – apesar de sua capacidade de criar graves problemas para a nossa consciência cristã -; a solidariedade entre os povos e na sociedade; as lutas pela preservação da natureza e dos seus recursos; as aspirações de paz; as iniciativas que visam à promoção da dignidade das pessoas, etc. É através desses “sinais dos tempos”, tanto dos positivos como dos negativos, que temos de aprender a descobrir o que Deus nos quer falar, o que Ele quer de nós: os negativos para saber como Deus quer que os mudemos; os positivos, para descobrir como Deus quer que os reforcemos e os aproveitemos para a construção do seu Reino já presente em nosso meio: “...o Reino de Deus já chegou até vós” (Lc 11,20).  

3. A abertura e a atenção.  Cabe a todos nós - instituições da Igreja, associações, movimentos eclesiais - estar abertos e atentos a estes “sinais dos tempos”, sendo, ao mesmo tempo, fiéis aos carismas. Atenção e abertura nos permitirão renovar o que deve ser renovado e transformar o que deve ser transformado. Em outras palavras, devemos estar sempre atentos para ouvir a voz de Deus que nos fala através do “novo” e cada vez mais dispostos a executá-la. Que não sejamos obrigados a ouvir, devido à nossa insensibilidade e dureza de coração, a dura palavra de Jesus: “Sabeis, pois distinguir muito bem os aspectos do céu; mas não reconheceis os sinais dos tempos!” 

No fim deste mês iniciaremos o sagrado tempo quaresmal que eu lhes desejo fecundo na preparação para a festa da vida, que é a Ressurreição do Senhor, acontecimento sempre novo  e continuamente renovado!

Um abraço carinhoso do irmão e amigo   

Pe. José Gilberto Beraldo

Assessor Eclesiástico Nacional MCC do Brasil

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.