Estatuto Social

Carta MCC Brasil – Junho 2013 (166ª.)

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
“Depois de tudo isso, derramarei o meu espírito sobre todos os viventes. E, então, todos os filhos e filhas falarão como profetas...!" (Joel 3, 1ab). “Vós todos podeis profetizar..." (I Cor 14,31).

Carta MCC Brasil – Junho 2013 (166ª.)

“Depois de tudo isso,

derramarei o meu espírito sobre todos os viventes.

E, então, todos os filhos e filhas falarão como profetas...!” (Joel 3, 1ab).

“Vós todos podeis profetizar...” (I Cor 14,31).

Amados irmãos e irmãs, chamados que fomos para sermos e atuarmos como profetas nestes novos tempos de Igreja, a paz e o amor de Jesus estejam com todos vocês!

Para esta nossa Carta de junho, duas propostas nasceram na minha mente e amadureceram longamente no meu coração. A primeira é uma reflexão sobre a profecia na vida dos seguidores de Jesus, motivada pela celebração, neste mês, de três grandes profetas: João Batista, cujo nascimento se comemora no dia 24 e os Apóstolos Pedro e Paulo no dia 30. A segunda – como não poderia deixar de ser -, é uma constatação motivada pelas atuais providenciais circunstâncias históricas, uma nova primavera que vive a nossa Igreja Católica.

1. Profecia e Profeta: anúncio, denúncia e os profetas de ontem e de hoje. Não é muito clara a origem do termo “profecia”. Em todo o caso, sua conotação é a de “oráculo”, anúncio ou, também, de advertência ou denúncia. O profeta usa ora palavras de carinho e ternura, de promessas e de acolhida para os que observam os mandamentos e normas divinas e andam pelos bons caminhos, ora emprega palavras duras de ameaças e castigos terríveis para os que enveredam pelos desvios e descaminhos contrários aos projetos divinos. Quanto à história da nossa salvação, é bastante percorrer alguns dos 18 livros proféticos do Antigo Testamento para que nos demos conta desse processo, digamos, pedagógico-educativo do povo eleito. O profeta, aquele que vive intimidade com Deus, é o encarregado por Ele para anunciar ao povo, ou o perdão e o abraço divinos, ou os castigos merecidos pelos que se afastam das leis do Senhor. Isto está em conformidade com o que se lê no Profeta Joel, citado acima. Por isso, é provável que o nome “profeta”, como é empregado na Bíblia, signifique aquele que fala como acreditado mensageiro do Altíssimo. Deve-se observar que nos termos “profecia” ou “profeta” não há nada que implique previsão de acontecimentos. Pode um profeta predizer, ou não, o futuro segundo a mensagem que Deus lhe der.

Mas poderia alguém perguntar – porque esta introdução? Justamente para lembrar o último dos profetas do AT, João Batista e os dois primeiros, Pedro e Paulo, sem falar no profeta dos profetas, Jesus. E, é claro, para voltar a chamar nossa atenção de discípulos missionários, profetas que deveríamos ser de nossos tempos.

a) João Batista, o último dos profetas do AT. “Em verdade, eu vos digo, entre todos os nascidos de mulher não surgiu quem fosse maior que João Batista” (Mt 11,11). João foi o profeta corajoso, destemido que, de peito aberto, usa palavras duras de denúncia e de ameaças de castigos às “víboras” – fariseus e saduceus: “Víboras que sois, quem vos ensinou a fugir da ira que está para chegar? Produzi fruto que mostre vossa conversão” ... O machado já está posto à raiz das árvores. Toda árvore que não der bom fruto será cortada e jogada ao fogo” (Mt 3, 7b; 8;10). Mas foi, sobretudo, o profeta do anúncio da conversão, da preparação, da chegada e da presença de Jesus: “Convertei-vos, pois o Reino de Céus está próximo. “É dele que falou o profeta Isaías: ‘Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, endireitai as veredas para ele’” (cf. Mt 3, 1-17). E vem agora o principal na vida de João Batista: ao avistar Jesus, num alegre e indizível ímpeto profético, manifestando a razão de ser de sua missão, exclama: “Eis o Cordeiro de Deus, aquele que tira o pecado do mundo. É dele que eu falei: ‘Depois de min vem um homem que passou à minha frente, porque antes de mim ele já existia’” (Jo 1,29-30).

Para sua reflexão: a você, batizado, seguidor de Jesus, membro de comunidades e de movimentos eclesiais (do Movimento de Cursilhos, por exemplo), pergunto: até onde vai sua consciência de ser profeta de Jesus? Mais: até onde chega sua coragem para – como João Batista – denunciar a hipocrisia, o erro, a maldade e, sobretudo, anunciar que o “Reino já está no meio de nós?”, isto é, anunciar que Jesus está vivo e presente na nossa cultura, na nossa sociedade que anda tão distante Dele?

b) Os santos Apóstolos Pedro e Paulo, primeiros profetas do NT. Primícias da Igreja pensada pelo Mestre e iniciada com a primeira comunidade de homens e mulheres reunida ao seu redor, são eles também os primeiros profetas do NT. Firmados, agora, no fato da ressurreição de Jesus, assumem, corajosos, a missão de sair pelo mundo anunciando a Boa Nova: “Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda criatura” (Mt 16,15). Eis que Pedro, inflamado pelo Espírito Santo, superando o medo (cf.Jo 20,19) e enfrentando “partas, medos e elamitas, habitantes da Mesopotâmia, da Judéia e da Capadócia, do Ponto e da Ásia... (cf At 2,9-11), ao mesmo tempo que anuncia a pessoa de Jesus, denuncia aqueles que mataram o mesmo Jesus: “Deus, em seu desígnio e previsão, determinou que Jesus fosse entregue pelas mãos dos ímpios, e vós o matastes, pregando-o numa cruz” (At 2,23). E o que dizer do espírito profético do convertido, o judeu Saulo, depois Paulo? Em inúmeras ocasiões, em incontáveis escritos e conteúdos de suas cartas, deixa muito claras as corajosas denúncias contra o mau procedimento de muitos que, pelo seu próprio ministério, haviam abraçado a fé cristã.

Para sua reflexão: vivemos uma realidade que a todos nós, na maioria das vezes, nos impede de sermos os profetas que deveríamos ser e que, se na vida de quase todos os profetas e nos primórdios da Igreja era comum, nos dias de hoje, na atual cultura do relativismo e da pressão social alimenta, até, uma certa vergonha nos cristãos. Trata-se do medo. Medo de anunciar; mais, medo de denunciar; medo de atitudes e gestos proféticos.... enfim, medo de se agir como discípulo missionário de Jesus! Você também anda pressionado por este medo? Esqueceu-se, meu caro profeta, minha querida profetiza, que foi Ele que disse: “Não tenham medo?” E, então?

2. Uma “nova primavera na Igreja Católica”. Somos cristãos católicos privilegiados. Tenho certeza de que todos temos consciência de estar vivendo novos tempos, novos desafios e novas perspectivas para a Igreja Católica. Fala-se, até, numa nova primavera da Igreja. Como já o fiz na Carta do mês passado, refiro-me, à eleição do Bispo de Roma (“o primeiro entre iguais”), Francisco. Seus gestos, seus testemunhos pessoais estão a nos indicar claramente uma nova postura para todos os católicos, para toda a Igreja. Não basta dizer que a Cúria romana deverá ser reformada ou que este é o Papa de que precisamos, etc. É urgentemente necessário que seu exemplo e testemunho atinjam a mentalidade e a vida de toda a hierarquia da Igreja, bispos e sacerdotes, religiosos e religiosas e de todos os católicos. Do contrário, os exemplos de Francisco, cairão no vazio e, como diz no título de um maravilhoso e profético artigo, um dos mais conhecidos teólogos contemporâneos, Hans Küng, companheiro que foi de magistério do emérito Papa Bento XVI: Não deixem a Primavera virar Inverno”. Primavera na Igreja é superar uma “Pastoral de mera conservação e sair para uma pastoral decididamente missionária” (Cf Doc.370). SAIR é um dos verbos mais usado pelo Papa Francisco. Igreja, comunidades, movimentos eclesiais devemos todos SAIR... Por oportuno, aplicando-a, sobretudo, ao Movimento de Cursilhos, permitam-me repetir uma comparação feita por Francisco ao afirmar que a Igreja deve sair para a missão: Diante desta alternativa, quero dizer-lhes fracamente que prefiro mil vezes uma Igreja acidentada do que uma Igreja doente. A doença típica da Igreja fechada é a auto-referência; contemplar-se a si mesma, estar curvada sobre si mesma como aquela mulher do Evangelho”.

Que a intercessão de São João Batista e dos Santos Apóstolos Pedro e Paulo juntamente com a de Maria, possa fazer com que criemos uma mentalidade cada vez mais profética e missionaria, uma mentalidade de autênticos discípulos missionários de Jesus, são os votos mais fraternos de

Pe.José Gilberto BERALDO

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.