Notícias

Papa reza o Ângelus na terça-feira na Praça por causa da Festa de Santo Estêvão

Avaliação do Usuário

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Às 12 horas desta terça-feira, 26 de dezembro, data na qual se celebra a Festa de Santo Estêvão, primeiro mártir – o Santo Padre Francis apareceu na janela do estudo no Palácio Apostólico do Vaticano para recitar o Angelus com os fiéis e os peregrinos reunidos na Praça de São Pedro.

Estas são as palavras do Papa na introdução da oração mariana:

Queridos irmãos e irmãs, bom dia!

Depois de celebrar o nascimento de Jesus, hoje celebramos o nascimento de Santo Estêvão, o primeiro mártir. Mesmo que, à primeira vista, possa parecer que não há nenhuma ligação entre as duas ocorrências, na verdade está lá, e é um vínculo muito forte.

Ontem, na liturgia do natal, ouvimos proclamar: “O Verbo se tornou carne e habitou entre nós” (Jo 1, 14). Santo Estêvão colocou os líderes do seu povo em crise, porque “cheio de fé e do Espírito Santo” (Atos 6, 5), ele firmemente acreditava e professava a presença nova de Deus entre os homens; ele sabia que o verdadeiro templo de Deus é Jesus, a Palavra eterna que veio morar entre nós, que foi feito como nós, exceto no pecado. Mas Estêvão é acusado de pregar a destruição do templo em Jerusalém. A acusação contra ele é dizer que “Jesus, este Nazareno, destruirá este lugar e subverterá os costumes que Moisés nos transmitiu” (Atos 6,14).

Na verdade, a mensagem de Jesus é incômodo e incomoda, porque desafia o poder religioso mundano e provoca as consciências. Após a sua vinda, é necessário converter, mudar a mentalidade, abandonar o pensamento de antes, mudar, converter. Estêvão permaneceu ancorado na mensagem de Jesus até sua morte. Sua última oração: “Senhor Jesus, recebe o meu espírito” e “Senhor, não ponhas este pecado contra eles” (At 7,59-60), estas duas orações são fiéis ecoam aquelas ditas por Jesus na cruz: “Pai, em suas mãos eu entrego meu espírito “(Lc 23, 46) e” Pai, perdoa-os porque eles não sabem o que estão fazendo “(v. 34). As palavras de Estêvão só foram possíveis porque o Filho de Deus veio à terra, morreu e ressucitou por nós; Antes disso esses eventos eram expressões humanamente impensáveis.

Estêvão pede a Jesus que acolha seu espírito. Na verdade, o Cristo ressuscitado é o Senhor, e ele é o único mediador entre Deus e os homens, não apenas na hora da nossa morte, mas também em cada momento da vida: sem ele, não podemos fazer nada (ver Jo 15, 5). Portanto, nós também, diante do Menino Jesus no berço, podemos orar para ele assim: “Senhor Jesus, lhe confiamos nosso espírito, acolhe-o”, para que nossa existência seja, de fato, uma vida de acordo com o Evangelho.

Jesus é nosso mediador e reconcilia-nos não só com o Pai, mas também entre nós. Ele é a fonte do amor, que nos abre para a comunhão com nossos irmãos, nos amamos entre nós, removendo todo conflito e ressentimento. Sabemos que os ressentimentos são coisas ruins, eles machucam tanto e eles nos machucam tanto! E Jesus remove tudo isso e nos faz amar uns aos outros. Este é o milagre de Jesus. Pedimos a Jesus, nascido para nós, que nos ajude a assumir essa dupla atitude de confiança no Pai e amor ao próximo. É uma atitude que transforma a vida e a torna mais bonita, mais frutífera.

A Maria, Mãe do Redentor e Rainha dos Mártires, elevamos, com confiança, a nossa oração para nos ajudar a receber Jesus como Senhor de nossas vidas e nos tornar suas testemunhas corajosas, prontos a pagar pessoalmente o preço da fidelidade ao Evangelho.

(Texto da Sala de Imprensa do Vaticano, tradução Google Tradutor)

Fonte: CNBB

Search

Arquivo